Viagem & Gastronomia

#HTVIAJA: Dez motivos para você fazer as malas imediatamente para Aruba

De praias desertas a outras mais animadas, clima perfeito durante 365 dias por ano, opções de compras, gastronomia e arquitetura cheia de charme, Aruba é uma delícia de destino que cabe bem no bolso - e no gosto - do brasileiro

Publicado em 5 de setembro de 2017 | Por Junior de Paula

1) O clima

Quase nunca chove por lá e a média da temperatura é de 28 graus durante todo o ano. Se durante o dia pode fazer bastante calor, quando o sol se põe, o clima ameniza e a brisa faz um carinho na nossa pele bronzeada (ou avermelhada, dependendo do grau de melanina que você tem). Ah, e a ilha está fora da rota dos furacões, que castiga o Caribe entre julho e novembro.

2) Eagle Beach

Muita gente diz que é a praia mais linda de Aruba (E olha que praia linda é redundância ao se tratar desse recanto caribenho), mas esse pedaço de areia fina e água que varia entre o azul turquesa e o verde esmeralda, entre o centro da cidade, onde está o porto e as lojas de luxo, e Palm Beach, onde ficam os grandes resorts e os melhores restaurantes da ilha, é um paraíso tranquilo e que reúne tudo o que a Aruba tem de melhor. É só estacionar – ou descer do taxi – procurar uma sombra para deixar suas coisas e correr para o mar.

3) Praia dos Flamingos

Eu fiquei três dias em Aruba e um deles hospedado no hotel Renaissance, que fica no centro da cidade e tem uma praia particular, em uma ilha que você só acessa com o barquinho que sai do lobby do hotel. Lá na tal ilha, exclusiva para hóspedes ou para quem pagar o day use do hotel, fica a cinematográfica praia dos Flamingos, que leva esse nome porque é repleta dessas aves rosas e cheias de charme zanzando para lá e para cá enquanto você está deitado na espreguiçadeira. Vale o investimento.

4) O centrinho

De colonização holandesa, Aruba ainda tem bastante influência arquitetônica daquele país. A praça principal de Oranjestaad, por exemplo, o nome da capital da ilha, é repleta daqueles predinhos estreitos, coloridos e de telhado inclinado que a gente vê em Amsterdã. Por ali, fica uma Zara imensa e dentro do Renaissance, um shopping de luxo com marcas como Louis Vuitton e Gucci. Tem ainda o cassino do hotel, que não é muito grande, mas o tamanho suficiente para você perder muitos dólares.

Caminhando um pouco pelo centro, você chega a uma rua repleta de lojas famosas e mais simples, como Victoria`s Secret, por exemplo, e Sephora. E, mais perto do porto, tem vários shoppings, como o Market Place, o Royal Plaza Mall, todo rosa e com uma arquitetura linda e outras lojas e restaurantes.

5) Palm Beach

Depois de explorar o centrinho por um dia, rumei para o Riu Palace, onde fiquei por duas noites, no comecinho da linda Palm Beach, que é a praia mais densamente povoada e urbanizada, mas ainda assim selvagem o suficiente para você ter paz e com muito espaço para você curtir numa boa. Trata-se de um dos únicos All Inclusive da ilha, mas eu não recomendo. Ele é imenso, tem uma piscina linda, um hotel anexo exclusivo para adultos, serviço de praia bacana e dois cassinos, mas falta charme e sobra impessoalidade.

E também não recomendo um all inclusive em Aruba, já que fora do hotel tem muitas coisas para se fazer, muitos restaurantes para conhecer e muita rua para andar. Na parte de trás dos hotéis de Palm Beach, paralela à praia, por exemplo, fica uma avenida repleta de lojas, casinos, lugares legais para comer, shoppings e atrações para explorar. Se jogue quando o sol se por.

6) Comida

Como contei, são muitas as opções de restaurantes. Em Palm Beach, desde o clássico Hard Rock Café, onde uma refeição vira meio que uma balada, passando pela churrascaria Texas de Brasil, a casa especializada em bons frutos do mar Aqua Grill, o sempre cheio Smoky Joe’s Island Grill, que dizem fazer a melhor costela da ilha, ou, se quiser comer na praia, o Bugaloe. Tem ainda o The Sopranos, o italiano Giannis e o Tailandes Sawasdee. Já em Oranjestaad, não deixe de ir ao Que Pasa, com decoração bem caribenha e com direito a galeria de arte no segundo andar. Reserve, pois tem sempre fila. Ah, e se quiser uma mistura inusitada, experimente o Gostoso, que coloca lado a lado culinária portuguesa e arubenha.

7) Baby Beach

Uma das praias mais afastadas, ao sul da ilha, bem depois de Palm Beach, é uma pérola. De faixa comprida de areia e aquele azul do mar que você nunca vai esquecer, ela está sempre vazia e pronta para te fazer relaxar a agradecer por ter seguido a dica e desembarcar por lá. Com relativa estrutura para receber os turistas, com restaurante e bar pé na areia, é ótima para passar uma tarde relax, tomando uma cerveja entre um mergulho e outro.

8) As piscinas naturais

Do lado oposto da ilha, mais pro nordeste, ficam as piscinas naturais. Apesar do difícil acesso – você só chega de 4×4, cavalo ou a pé – o deslocamento vale a pena. Em um trecho deserto da costa, as águas formaram piscinas naturais ao bater nas muitas rochas da região e quando a maré baixa, grandes piscinas naturais surgem para alegria dos turistas. Em uma formação única de rocha, pedras vulcânicas circundam um pequeno desnivelamento, criando assim uma tranquila piscina conhecida como “conchi” ou “Cura di Tortuga”, ou mais comumente conhecida pelos visitantes como “Natural Pool”.

9) Parque Arikok

Uma ótima opção para variar quando não quiser mais saber de praia (se é que esse pensamento existe). Imenso – para os tamanhos de Aruba -, ele ocupa 20% de toda a extensão da ilha e é um dos mais importantes pontos turísticos do país. Para andar pelo parque será necessário alugar um veículo 4×4 ou conhecê-lo através do passeio de jipe. Suas paisagens áridas, revelam a vida animal da região, com iguanas, corujas, cobras, coelhos e as cabras e burros selvagens. O cododo, um exótico lagarto de pintas azuladas, é um dos mais interessantes da fauna local. E entre a vegetação característica da ilha, estão três belas árvores que merecem ser observadas: divi-divi (uma das mais icônicas, tem raízes aparentes, o tronco todo retorcido e uma frondosa copa esverdeada), kwihi (que se parece com a divi-divi, e tem frutos amarelos de sabor agridoce) e a espinhosa hubada. Além disso, há cáctus de todos os formatos. Reserve um tempo para visitar a Fountain Cave, uma caverna com desenhos nas paredes.

10) O povo

Muito simpático e misturado, eles falam holandês, inglês, espanhol e um dialeto local em sua maioria. Sempre com um sorriso no rosto, eles estão sempre prontos para te ajudar, dar uma informação e fazer com sua temporada nessa ilha mágica seja maravilhosa. Converse, troque uma ideia, procure conhecer a história dos moradores desse lugar onde todo mundo vai em busca de diversão e sua viagem vai ficar ainda mais especial.

Pesquisas relacionadas

  • Georges C. Costaridis

    11- Gastar um pouco dos milhões roubados da nação
    12- Se esconder da Interpol enquanto gasta um pouco dos milhões roubados da nação.