Arte & Literatura

Em “Potência Popular Carioca”, Marcia Disitzer aborda o comportamento no Rio sob o olhar da moda: “A democratização de tendências e conceitos é uma realidade”

Em um trabalho que durou quatro anos, a jornalista e escritora percorreu as Zonas Norte e Oeste e algumas favelas da cidade em busca de personalidades que ilustrassem a ideia de que a moda vem de todos os lugares. "Agora cada um tem sua essência e segue o que achar melhor. Ninguém precisa mais se enquadrar em uma tendência, cada um faz a sua"

Publicado em 2 de Fevereiro de 2018 | Por Julia Pimentel

O mundo mudou. Aquela história de que padrões e tendências devem ser seguidos de cima para baixo ficou no passado e agora vivemos uma era de pluralidade de vozes. Em seu novo livro, o quinto da carreira como escritora, Marcia Disitzer acende os holofotes para as Zonas Norte e Oeste e as favelas do Rio de Janeiro e discute comportamento, gênero, raça e relações culturais sob a ótica da moda. A partir de pesquisas e entrevistas com personagens destas regiões cariocas, “Potência Popular Carioca” é o exemplo de que a moda impostas por grandes nomes ficou para trás. “A democratização de tendências e conceitos é uma realidade. A moda agora é de todos, está na rua e em qualquer lugar. Aqui no Rio é isso o que está dominando a cena”, destacou Márcia.

Aliás, “Potência Popular Carioca” é a simbiose de dois pontos que Marcia Disitzer conhece bem. A moda e o Rio de Janeiro aparecem como personagens deste discurso democrático apontado pela jornalista e escritora. Para ela, a nova obra defende a ideia de que cada um é dono de suas próprias tendências. “Não tem mais essa história de que todos devem vestir azul porque esta é a cor da moda. Agora cada um tem sua essência e segue o que achar melhor. Ninguém precisa mais se enquadrar em uma tendência, cada um faz a sua. E é isso o que eu acho mais bacana nesses novos tempos. O livro fala sobre esta busca pela identidade de cada um através da moda”, explicou.

Roberta Rodrigues e Marcia no Vidigal (Foto: Divulgação)

Para mergulhar neste assunto e comentar esta autoridade pessoal de todos nós, Marcia Disitzer traz perfis em “Potência Popular Carioca” que ilustram o posicionamento da autora. “Nós temos artistas, personalidades de uma região e amigos que fomos encontrando que contam a sua trajetória através da moda”, disse a jornalista que, para achar este time cheio de conteúdo teve um trabalho de equipe nos bastidores. “A Michelle Andrade fez a primeira pesquisa e depois fomos conhecendo mais pessoas, outras foram indicadas e assim fomos construindo essa rede que faz o livro”, contou.

Desta experiência, Marcia Disitzer comprovou uma ideia que vem ganhando força nos últimos tempos e, agora, está ainda mais aflorada na sociedade contemporânea. “As redes sociais estão mudando tudo. A internet está dando voz a todos e isso é ótimo. As pessoas estão podendo mostrar a sua moda para muita gente. Eu vejo que estamos vivendo um momento de mudança profunda com essa diversidade de vozes”, disse a jornalista que, além de mostrar o poder da moda como instrumento de discurso, comentou sua intenção por trás de “Potência Popular Carioca”. “Eu como jornalista queria fazer uma manifestação contra todo tipo de preconceito através da moda. Eu quis mostrar que a roupa pode, sim, ser um instrumento neste sentido. Nós estamos vivendo tempos muito complicados e a minha ideia com o livro foi marcar esta posição”, defendeu.

A fotógrafa Daniela Dacorso, a estilista Gabi Monteiro e Marcia no Chapéu Mangueira (Foto: Divulgação)

E em grande estilo. Para seu quinto livro, Marcia Disitzer trouxe mais que informação escrita para os leitores. “Potência Popular Carioca” é também um poderoso estímulo visual. Através de cores, formas, fotos e referências, Márcia reforça suas ideias com uma diagramação luxuosa. “A gente quis mostrar a vibração e energia que passamos durante este processo. No Rio, nós temos uma riqueza de criatividade e originalidade que faz parte da moda e não poderia ficar de fora de um livro sobre isso”, explicou a jornalista que atravessou o Rio em busca de exemplos desta força criativa.

Por sinal, este foi um processo demorado na vida de Marcia. Para sermos exatos, “Potência Popular Carioca” levou quatro anos para nascer desde a concepção da ideia pela jornalista. “Foi um processo de pesquisas, fotos, edição. Eu digo que este livro é o resultado de uma equipe que se dedicou junta”, contou Marcia Disitzer sobre sua quinta obra. “Eu amo escrever livro. Até já estou pronta para o próximo, mas agora ainda estou curtindo meu novo filhote”, comemorou a jornalista sobre sua paixão pela literatura que veio como uma consequência da profissão.

A autora, o stylist Rogério S., a maquiadora Mary Saavedra e a fotógrafa Ana Stewart em Bangu (Foto: Divulgação)

Em sua trajetória no Jornalismo, Marcia Disitzer contou que a função escritora nasceu em 2006 a partir de um convite. De lá para cá, ela foi ganhando mais páginas, experiência e opiniões sobre ambas as áreas. Inclusive, Marcia analisa o atual cenário como um exemplo dos novos tempos. “Estamos vivendo um mundo novo. É uma revolução, está tudo mudado. Hoje todos podem ser autores e isso é muito rico porque, assim como a internet, dá voz a gente de todos os lugares. Neste momento, eu acho que estamos no olho do furacão desta mudança e, do meu lado, venho tentando acompanhar e fazer o meu melhor para acompanhar”, disse Marcia Disitzer. Alguém tem dúvida de que ela está conseguindo?

Pesquisas relacionadas