Arte & Literatura

Depois de quatro anos longe, Cirque du Soleil volta ao Brasil com o espetáculo Amaluna que homenageia as mulheres

Desde sua estreia em Montreal, em 2012, o espetáculo já passou por mais de trinta cidades, dez países e foi visto por mais de quatro milhões de pessoas

Publicado em 6 de outubro de 2017 | Por Ana Clara Xavier

O espetáculo estreou em Montreal em 2012 (Foto: Divulgação)

A cada nova temporada no Brasil, Cirque du Soleil prova que tudo o que já é bom pode ficar ainda melhor. Depois de quatro anos longe das terras tupiniquins, a companhia volta com o espetáculo Amaluna, trazendo o mistério de uma ilha governada por Deusas que são guiadas pelo ciclo da lua. A trama se passa durante a cerimônia de passagem a vida adulta da filha da rainha. A celebração é interrompida por uma tempestade que traz consigo jovens marinheiros. “Ele fala sobre um tema bastante atual que é o empoderamento feminino. Conta com números  muito diferentes de quaisquer outros que já vieram ao país como as cenas que acontecem com água, uma banda rock’n roll formada por mulheres ou quando um artista equilibra uma grande quantidade de coisas nos ombros por muito tempo. São elementos modernos e muito diferentes”, afirmou a diretora de entretenimento da IMM, Stephanie Mayorkis, empresa responsável por trazer o Cirque ao Brasil. A apresentação reúne o romance de dois jovens com a aventura representada pela valentia das amazonas. É um tributo às vozes femininas. “Este tema é sempre pertinente e merece ser valorizado, porque é algo que não tem volta. As mulheres estão cada vez mais atuantes no mercado de trabalho e na fonte de renda nas famílias do mundo inteiro. Não existe nenhuma menção política no show, mas é uma homenagem ao gênero. Tem um elenco majoritariamente feminino, o que foi surpreendente quando o musical foi lançado em 2012. Era um diferencial”, explicou a diretora.

O balde com água é uma das atrações inéditas (Foto: Divulgação)

A empresa IMM foi a principal responsável por viabilizar a vinda do Cirque Du Soleil para o Brasil. “O Cirque é uma marca consolidada, possui um público fiel que sempre vem prestigiar. Esperamos grande audiência, junto com os nossos patrocinadores. E ambos os elementos estabelecidos na receita faz com que seja possível trazer o espetáculo novamente. O evento é muito grande e demanda um custo de produção bastante alto, são 260 pessoas envolvidas diretamente”, explicou Mayorkis. Foi necessário trazer mais de 110 da companhia e empregar 150 pessoas da região. A equipe local ajuda na logística do bar, da entrada, da limpeza e entre outros. “O espetáculo movimenta muita gente economicamente, gera emprego e impostos”, comemorou.

O espetáculo é em homenagem as mulheres (Foto: Divulgação)

No momento atual, é muito complicado apostar em grandes negócios como o Cirque Du Soleil. Com a crise, o mercado fica cada vez mais volátil o que traz uma grande instabilidade para as empresas. “Para empreender em tempos de crise é preciso ter muito pé no chão, acho que é preciso acreditar no que se está fazendo, tendo em base o limite de risco que você pode se permitir e assumir. Óbvio que tem que arriscar, tem que seguir em frente, mas não se pode fazer loucuras. É preciso dosar para saber até onde se pode ir”, aconselhou a diretora do IMM. No caso da companhia canadense, foi uma estrutura bastante planejada e calculada, mas Mayorkis atentou que sempre pode haver algum elemento surpresa no meio do caminho.

Amaluma fala sobre um amor proibido (Foto: Divulgação)

No entanto, aparentemente a proposta da empresa de entretenimento, ingressos e esporte parece ter acertado o público alvo que curte o espetáculo. “Estamos recebendo vários pedidos de ingresso, as vendas começaram bem. Acreditamos, dessa forma, que, em tempos de crise, conteúdos que tem relevância notamos um desempenho muito bom porque as pessoas elegem algo que elas tenham certeza que valerá a pena investir. Sabem que tem qualidade e que são bons. Afinal, todos merecem se dar um presente neste momento difícil”, brincou a diretora. Em São Paulo, a estreia foi no dia 5 de outubro e fica em temporada até o dia 17 de dezembro, quando vem para o Rio de Janeiro (mas os ingressos para os dias de apresentação carioca já podem ser comprados). Desde sua estreia em Montreal, em 2012, o espetáculo já passou por mais de trinta cidades, dez países e foi visto por mais de quatro milhões de pessoas.

Depois de quatro anos longe do Brasil, a cia volta aos palcos de São Paulo e Rio (Foto: Divulgação)

Para Stephanie Mayorkis a fama do Cirque no Brasil não foi uma surpresa, já que elatrabalhou em outras turnês da companhia e sinaliza que a cada nova performance é uma alegria e experiência nova. “Sou privilegiada por trabalhar com o entretenimento, algo que adoro. Por isso é muito gratificante ver que os projetos nascem como um filho, saem do papel e viram o sorriso do público. Estar com o Cirque é ainda melhor por ser uma companhia que já está há muitos anos no mercado e procura sempre se aprimorar. Estou muito feliz por exibir mais um ano da técnica sensacional que só existe devido a qualidade dos atletas do Cirque”, comemorou.

Serviço

TEMPORADA SÃO PAULO
Local: Parque Villa Lobos
Endereço: Av. Professor Fonseca Rodrigues, 2001 – Alto de Pinheiros
Entre 5 de outubro e 17 de dezembro de 2017

SESSÕES E HORÁRIOS EM SÃO PAULO
• terça a sexta-feira, às 21h; (sessões às 17h30 em algumas datas durante a semana);
• sábados, às 17h30 e 21h;
• domingos, às 16h e 19h30.

TEMPORADA RIO DE JANEIRO
Local: Parque Olímpico
Endereço: Av. Embaixador Abelardo Bueno, s/n – Barra da Tijuca (altura do no. 5001, em frente
ao Terminal Centro Olímpico).
Entre 28 de dezembro de 2017 e 21 de janeiro 2018

SESSÕES E HORÁRIOS NO RIO DE JANEIRO
• Première: 28 de dezembro, às 21h
• terça a sexta-feira, às 20h; (sessões às 16h30 em algumas datas durante a semana);
• sábados, às 16h30 e 20h;
• domingos, às 16h e 19h30.

INFORMAÇÕES
Duração do espetáculo: 130 minutos (incluindo intervalo de 20 minutos);
Capacidade da Tenda Principal: 2.482 lugares;
Classificação etária: Livre. Menores de 12 anos somente acompanhados dos responsáveis legais
Acesso para deficientes – Acesso e assentos destinados apenas para cadeirantes e 1
acompanhante;
Tendas climatizadas (Tenda Principal e Tenda Banco Original Vip Experience).
• Não é permitido qualquer tipo de fotografia ou filmagem dentro da Tenda Principal, antes,
durante ou depois do espetáculo, mesmo que o show não esteja em curso.

 

Pesquisas relacionadas