Arte & Literatura

Caetano Veloso participa de exposição sobre Tarsila do Amaral no MoMA, em NY, e relembra Marielle Franco

Além do cantor, nomes como Vik Muniz, Regina Silveiro e o curador da próxima Bienal de São Paulo, Gabriel Pérez-Barreiro, também estavam presentes no encontro de ontem no MoMA. Lá, eles viram Caetano Veloso chamar Tarsila do Amaral de um freio delicado e feminino ao “futurismo vulgar” e relacionar as duas trajetórias artísticas. “Há muitas coisas que ligam o que fizemos"

Publicado em 27 de Março de 2018 | Por Julia Pimentel

Faz alguns dias que Marielle Franco foi assassinada no Rio de Janeiro, mas o nome da vereadora segue vivo em discursos pelo mundo. Ontem foi a vez de Caetano Veloso citar a defensora dos direitos humanos em uma visita ao MoMA. No tradicional museu nova-iorquino, o cantor passeou pela exposição de Tarsila Amaral e, ao encerrar sua fala, lembrou: “Marielle, presente”.  A conversa, que foi mediada pelo curador Luis Pérez-Oramas, abordou temas como a influência do pensamento antropofágico sob a Tropicália e as obras da artista brasileira.

Entre o legado artístico de Tarsila do Amaral, Caetano Veloso comentou sua nova interpretação sobre um dos icônicos quadros da artista. Com uma visão modernista, o cantor explicou sua leitura contemporânea do quadro “A Negra”, que abre a mostra “Tarsila do Amaral: Inventing Modern Art in Brazil”. “Esse quadro sempre me tocou, mas ver isso agora, chegando do Brasil, ele me tocou mais ainda. É uma coisa que o brasileiro entende logo. É a mãe negra. Aquele peito diz muito sobre amamentação por negras de meninos negros e brancos”, disse.

#Repost @unsproducoes : BastidoresDaUns: Caetano ontem, visitando a exposição “Tarsila do Amaral: Inventando a Arte Moderna no Brasil”, no @themuseumofmofernart, #NYC, onde fará uma palestra sobre o trabalho de Tarsila, amanhã, 26/03, a convite do curador Luis Perez-Oramas, com transmissão ao vivo pelo link 👉🏽 https://youtu.be/j1jiKww4jOw às 20h (horário do Brasil). Acompanhe! 💻👈🏽 1. Quadro “Abaporu” 2. Quadro “A cuca” 3. Quadro “Morro da Favela” 4. Quadro “Operários” 5. Quadro “A negra” … Ouça a playlist do livro #VerdadeTropical no @spotify 👉🏽 http://bit.ly/PlaylistVerdadeTropical 🎶🎧 … #CaetanoVeloso #UnsProduções #MoMa #TarsilaDoAmaral

Uma publicação compartilhada por Caetano Veloso (@caetanoveloso) em

Além do cantor, nomes como Vik Muniz, Regina Silveiro e o curador da próxima Bienal de São Paulo, Gabriel Pérez-Barreiro, também estavam presentes no encontro de ontem no MoMA. Lá, eles viram Caetano Veloso chamar Tarsila do Amaral de um freio delicado e feminino ao “futurismo vulgar” e relacionar as duas trajetórias artísticas. “Há muitas coisas que ligam o que fizemos e sonhamos em fazer no fim dos anos 1960 com o trabalho de Tarsila. Mas não foi um contato imediato com ela que nos comoveu”, revelou Caetano.

O interesse, no entanto, veio após o cantor assistir à montagem de “O Rei da Vela”, de Oswald de Andrade, e descobrir que por trás do Manifesto Antropofágico tinha a figura de Tarsila. “Quando eu vi, pensei que aquilo era tudo o que eu queria fazer no meu primeiro disco, que já estava pronto. Fui então falar com Zé Celso e foi incrível. O cenário era incrível, e a peça era uma coisa nova, muito agressiva na estética”, lembrou. A mostra “Tarsila do Amaral: Inventing Modern Art in Brazil” fica até dia três de junho no MoMA, em Nova York.

Caetano Veloso e o curador Luis Pérez-Oramas na mostra de Tarsila do Amaral, no MoMA (Foto: Reprodução/Agência O Globo)

Pesquisas relacionadas